Cremação

04-04-2019 14:30

A Escolha


A escolha entre uma sepultura ou cremação é, muitas vezes, uma decisão difícil para a família, especialmente na ausência de vontade expressa do falecido. A opção ou não pela cremação apela a convicções pessoais, que podem variar no seio da mesma família, e a práticas culturais ou religiosas.
O processo de cremação tem sido aceite como um método digno de eliminação de um corpo. É uma opção que muitos julgam ser a mais adequada para os seus entes queridos.
Na maioria dos casos, a cremação é manifestada pela vontade dos parentes ou do próprio falecido. No entanto, a opção pela cremação pode ser decidida apenas na altura do óbito.


O que é a cremação?


Cremação é uma técnica funerária que visa reduzir um corpo a cinzas através da queima do cadáver. O método comum no mundo ocidental é a cremação do cadáver em fornos crematórios desenvolvidos para esse fim.
A cremação pode ser um funeral ou um rito pós-funeral e é uma alternativa que oferece menos riscos ambientais que a sepultura do corpo. A cremação é um dos processos mais antigos praticados pelo Homem, cujas origens remontam ao ano 1000 A.C.

 


Perguntas frequentes:

É preciso deixar por escrito a vontade de ser cremado?
Não, o falecido não tem de deixar expressa a vontade de ser cremado. O testamenteiro ou familiar mais próximo podem tomar a opção da cremação.


Um corpo cremado pode ser inumado juntamente com o conjugue?
Sim, se o conjugue estiver num ossário municipal, jazigo municipal, sepultura perpétua ou jazigo particular, dependendo da capacidade, a urna pode ser inumada com o conjugue.


O serviço religioso é feito antes ou depois da cremação?
A família pode optar por realizar o serviço religioso antes da cremação ou no momento em que é dado o destino final às cinzas.


Existem urnas especiais para cremação?
Sim, são feitas de madeira para serem facilmente destruídas pelo calor, devendo ser retirados todos os elementos metálicos.


O que pode ser feito com as cinzas?
Podem ser colocadas num cendrário, em sepultura perpétua, jazigo, ossário ou columbário ou entregues a quem tiver requerido a cremação, sendo livre o seu destino final, actualmente já existem cemitérios onde é possível deixar as cinzas nos denominados jardim da memória, saudade etc...


Quantos crematórios existem e onde?

 

21 Crematórios 

 

Crematório do Funchal: Cemitério de São Martinho

 

Crematório de Porto Santo: Cemitério de Santa Catarina 

 

Crematório de Ponta Delgada: Ilha de São Miguel

 

Crematório do Porto: Cemitério do Prado do Repouso 

 

Crematório de Paranhos: Cemitério de Paranhos

 

Crematório de Matosinhos: Cemitério de Sendim Rua de Sendim 

 

Crematório de São João da Madeira: Cemitério Municipal nº 3 Avenida de Casaldelo 

 

Crematório de Viseu: Cemitério de Santiago 

 

Crematório Alto de São João: Cemitério Alto de São João

 

Crematório dos Olivais: Cemitério dos Olivais

 

Crematório de Camarate: Cemitério Municipal de Camarate 

 

Crematório de Oeiras: Centro Funerário de Barcarena 

 

Centro Funerário e Forno Crematório do Cemitério Municipal de Sesimbra

 

Crematório de Almada: Cemitério de Vale Flores 

 

Crematório de Setúbal: Cemitério da Paz

 

Crematório de Ferreira do Alentejo: Cemitério de Ferreira do Alentejo 

 

Crematório de Vila Franca de Xira: Cemitério da Póvoa de Santa Iria 

 

Crematório Rio de Mouro

 

Crematório de Elvas

 

Crematório da Figueira da Foz

 

Crematório da Lapa: Porto